3 Ilhas em Cartagena, para curtir em bate e voltas!


Há muitas maneiras de se organizar um roteiro para a Colômbia e tendo Cartagena como destino principal. Alguns roteiros incluem Bogotá e San Andres e outros mas, no nosso caso, não. Nosso destino era Cartagena das Indias


Tendo Cartagena e sua linda Ciudad Amurallada como desejo principal, é necessário escolher as ilhas por onde se perder sob o sol colombiano. 



As praias da cidade possuem areia escura e, no réveillon, estavam muito muvucadas. Agora, nada supera o pôr do sol em Boca Grande - o sol em brasas! 



Aqui o segundo detalhe: escolhemos turistar em bate e voltas, sem nos hospedarmos nos resorts existentes nas ilhas. Todos recebem turistas que se deslocam para passar apenas o dia. Após conhecê-los, acho que nossa decisão foi muito acertada, pois nos proporcionou curtir todas as noites nos embalos da Ciudad Amurallada. 



Para as ilhas particulares, caso das que indicarei nesse post, os passeios devem ser adquiridos nas agências de turismo ou diretamente no porto, de onde saem as lanchas (como adquirimos em agência, não saberia informar se devem ser adquiridos com antecedência no porto, ou não, mas acredito que sim). 



Os deslocamentos para as ilhas são feitos em lanchas rápidas, que são uma aventura a parte. Embora sejam passeios com certa "emoção", as lanchas nos pareceram em boas condições e com equipamentos de segurança de uso obrigatório individuais. Há fiscalização e as lanchas não saem do pier sem que todos estejam com coletes salva-vidas afivelados. 




O tempo médio de deslocamento, com as lanchas rápidas (alguns passeios podem ser feitos em Catamarãs), é de 45min a 1h e, em boa parte, é feito em mar aberto. Estando o mar muito revolto, especialmente no período da tarde, há um desvio por rio até o encontro das águas com a baia de Cartagena, que aumenta o percurso em quase 1h, mas dá mais segurança - tivemos essa experiência em nosso último dia. 



Para aqueles que não se sentem a vontade no mar, possuem receio de fazerem tais deslocamentos em lanchas ou ficam muito nauseados, recomendo a hospedagem nos resorts, diminuindo o número total de deslocamentos. 



Nas ilhas particulares os resorts estipulam um número máximo de turistas por dia, evitando aglomerações e permitindo que todos possam usufruir da estrutura com conforto. Para quem deixa para comprar os passeios já em Cartagena, nosso caso, aconselho a fazê-lo na chegada, para garantir suas vagas. 

Considerando nossas escolhas, indico as ilhas que mais curti (em ordem inversa de preferência): 

1. Isla CocoLiso

Esse passeio tem a opção de ser feito em Catamarã, meio que foi utilizado pela maioria naquele dia. Havíamos comprado como lancha rápida, mas pelo que percebi iriam empurrar todos para o Catamarã. Como nossa turma chegou no pier por último, fomos de lancha rápida, o que para mim foi maravilhoso - fiquei livre daquelas atrações musicais, brincadeiras e ainda ganhamos mais tempo para curtir as águas da ilha. 



O resort tem boa estrutura, um grande salão onde é servido o almoço, banheiros, área de piscinas, bar e quiosque com equipamentos para aluguel - snorkel e sapatilhas. 



A praia não possui área de areia, possuindo um deck junto a mureta que dá acesso ao mar, por escadas (iguais as usadas em piscinas). Junto ao deck há mesas, cadeiras e espreguiçadeiras, que permitem um banho de sol confortável ou a permanência, junto ao mar, ao abrigo de ombrelones. 



Na chegada são oferecidos passeios ao Oceanário e para mergulho com snorkel, mas optamos por apenas curtir a praia. 

Na área de banho o fundo do mar é recoberto por corais e pedras, o que machuca bastante os pés e sempre há o risco de um corte. É aconselhável o uso de sapatilhas (ou crocs, como vi alguns usando). Para os desavisados, as sapatilhas são vendidas no píer de Cartagena, ao custo de 20 mil pesos (algo em torno de 20 reais) e, em CocoLiso especificamente, há o aluguel por 7 mil pesos. 


A única piscina de água doce que encontramos nas andanças foi nesse resort, com área para adultos e crianças, além de mesas, espreguiçadeiras, muita sombra e redário, no entorno. 




O almoço, incluído no valor pago, é servido em dois horários distintos. O primeiro horário para aqueles que não se deslocaram ao Oceanário e, no segundo, para os que de lá estão retornando. 

Em CocoLiso o almoço em sistema de buffet (quase um bandeijão) é servido no interior do prédio principal. A refeição pouco varia de um resort em relação ao outro: arroz de coco, patacones (bananas em forma de panquequinhas, fritas), salada verde, frutas fatiadas (melancia e manga), suco e peixe frito (mojarra). 

O mar é muito calmo, sem formação de ondas e com muitos peixinhos coloridos convivendo harmoniosamente com os turistas, para delírio das crianças. 

Numa escala de tons de verde, contrastando com o tom levemente amarelado da areia e corais ao fundo, as águas são um deleite para os olhos (e para as lentes das câmeras). Mas, quando se observa ao longe, são azuis... 



O lugar é muito agradável e incrivelmente fotogênico. 


2. Isla Del Encanto

A faixa de areia é belíssima, convidando a uma caminhadinha. 


Há uma boa e agradável estrutura no local, com sanitários, piscina, quiosque para venda de bebidas, além de muitos garçons que atendem diretamente na área junto ao mar. 



Há espreguiçadeiras colocadas junto ao mar, recobertas por ombrelones ou na sombra das árvores, protegendo do sol e proporcionando uma temperatura muito agradável. 



O mar, em tons azulados, conta com pequenas e serenas ondas. Há corais na área de banho, em menor quantidade do que em CocoLiso, mas ainda mais agradável com o uso de sapatilhas protetoras. 



A piscina é bastante rasa, permitindo que os pais deixem as crianças mais a vontade, aproveitando as águas salgadas ao abrigo do sol, já que fica na sombra das árvores no período da tarde. 



O almoço é servido num buffet instalado num grande e fresco quiosque, enquanto as mesas ficam no entorno, ao abrigo do calor. A refeição me pareceu bem mais saborosa do que em CocoLiso, com mais opções de saladas e frutas, servida num lugar infinitamente mais bonito e agradável. 



Del Encanto fora a isla mais recomendada e, admito, é um lugar lindo, organizado e muito gostoso. Se Gente de Mar não tivesse entrado em nosso roteiro, ela seria imbatível! 




3. Isla Gente de Mar



Essa não estava em minhas anotações e nem nos foi oferecida na agência de turismo. Vi seu nome num dos prospectos e perguntei se valeria a pena. Surpresa? A vendedora disse que era das melhores, que recebe um número limitado de turistas diariamente e que era muito bonita. 



Lá fomos nós, conhecer o pequeno paraíso! 

O lugar é esplêndido, com muitas áreas com cadeiras e espreguiçadeiras distribuídas sob a copa das árvores, deixando o local bastante fresco. 



A área de banho é em uma pequena enseada, com uma quantidade menor de corais no fundo e que possibilita o banho sem sapatilhas. 



Foi o melhor banho de mar de toda a viagem, passei horas curtindo aquelas águas mornas e com pequenas ondas - preciso dizer que esqueci de renovar o protetor e levei a super queimada da viagem? Não, né?!!  



Alguns nativos vendem pequenas esculturas em pedra, sem chegar a perturbar os visitantes. 

Há muitos caiaques a disposição dos visitantes. 



No bar há um salão de jogos e a venda de bebidas, mas os garçons servem as bebidas junto ao mar. 

Para famílias que pretendam ficar junto a piscina, com crianças especialmente, nessa não há tal comodidade. Lá o banho é apenas de mar!!! 

O almoço é servido numa área com muita vegetação e rodeada pelo mar, com uma vista linda, sem perder o frescor que a sombra proporciona. 



A refeição oferecida repete os ingredientes das demais, com exceção do caldo de peixe - provei e estava delicioso. O peixe estava maravilhoso. 



Em Gente de Mar nos foram oferecidas toalhas, logo na chegada, embora sempre levássemos as toalhas de piscina do hotel. Um cuidado do empreendimento, que deve ser valorizado. 

Há sanitários e chuveiros para uso dos visitantes, num espaço com bancos e bem higienizado. Entretanto, como nem tudo são flores e festa, estavam com problemas no abastecimento de água doce e as duchas estavam desligadas e a descarga dos sanitários foram substituídas por baldes de água do mar, jogados pelas funcionárias do local. 

Sem piscina e sem água doce nas duchas, tivemos que retornar com a pele salgada, o que sempre acentua o risco de queimaduras solares (hora de renovar o protetor e claro que a Paula não lembrou disso!!!). 

As lanchas que deslocam os turistas até o empreendimento são maiores, mas menos turísticas. Os bancos não são organizados como num ônibus, caso das demais, sendo que nessa as pessoas sentam em posições variadas, alguns viajando de costas para a corrente. O peso da lancha faz com que deslize de forma diferente, havendo menos choque com as ondas revoltas do retorno, mas jogando muito mais água nos viajantes. O retorno foi com muita emoção, digamos. Eu e Ná, que escolhemos voltar bem ao fundo, para podemos estar de frente, ficamos absolutamente encharcadas. O retorno foi com muita emoção, mas com muita alegria e gargalhadas!!! 




Informações gerais

* o valor dos passeios para as ilhas nominadas variou entre 150 e 160 mil pesos, por pessoa, todos com as refeições inclusas. Na chegada é informado que, para aqueles que não comem peixe, sendo feita a solicitação naquele momento, é possível optar por carne de gado ou frango; 

* fora o valor cobrado nas agências de viagens há o imposto de 7 mil pesos por perna, para entrar no complexo de Islas del Rosário. O imposto deve ser pago pelo próprio turista, no porto. É exigido o valor de 14 mil pesos por pessoa, por passeio. Tenha o dinheiro sempre em mãos. Para CocoLiso saímos de uma marina particular e o imposto foi exigido, mas não recebemos nossos comprovantes; 

* na maioria dos passeios para praias em áreas particulares, o transfer é de ida e volta para o hotel, o que não acontece no caso das praias públicas, quando é só de ida ao porto. Guarde pesos para o retorno ao hotel, se ele não está em área próxima ao pier;  

* em todas as ilhas particulares nos foram oferecidos artigos de artesanato produzidos pelos nativos. Não são insistentes, mas a maioria vende apenas alguns adereços simples e sem qualquer apelo. Entretanto, em Gente de Mar, há venda de pequenas esculturas, algumas muito bonitas e com valores variados. A maioria das esculturas eram de pequeno porte e estavam numa faixa que variava de 80 a 300 mil pesos. Não vi tais artigos sendo vendidos em qualquer outro lugar, nem mesmo em Cartagena. Logo, tenha pesos em mãos e negocie, pois é da tradição deles a pechincha; 

* o tipo de lancha e seu comportamento no mar varia de acordo com o empreendimento a ser visitado, mas em todos os casos há preocupação com a segurança. Todos recebem e são obrigados a usar coletes salva-vidas em boas condições, que devem ser mantidos afivelados, inclusive em bebês de colo. Em caso de mar excessivamente revolto é feito um desvio por um braço de rio, saindo de mar aberto e navegando em águas mais calmas até o encontro com a Baía de Cartagena (não esqueça, sua definição de mar revolto pode ser bem diferente da conhecida pelos colombianos). 

Como a cidade de Cartagena não possui praias de areias claras e águas cristalinas, embora sejam próprias para banho, os passeios diários são altamente recomendados para aqueles que não passarão algum período hospedados em resorts de praia. 

Fazer os passeios em sistema de bate e voltas proporciona conhecer diferentes empreendimentos e áreas com características bastante singulares. Embora não seja fã e ache um tantinho cansativo, organizei nossa viagem dessa maneira, ao estilo nordeste brasileiro, e foi muito gostoso! 

O que mais é preciso saber para curtir o sol e as águas colombianas? Protetor solar, um chapéu para os mais sensíveis e um coração aberto para curtir aquele povo são a melhor receita para a felicidade (e é muito fácil ser feliz em Cartagena). 



































6 comentários

  1. Adorei!!!! Vou querer passar uns dias nessa última ilha!!!

    Beijos,

    ResponderExcluir
  2. Que pena que o mar é revolto ! Tenho medo,receio,pavor !!!!!
    Já tenho muitas emoções ! Mas vou preder essas praias maravilhosas !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida, daí o negócio é passar três dias em Cartagena e, depois, pegar um avião para San Andres!! 😜

      Excluir
  3. Olá! Eu e meu marido estamos nos preparando para uma viagem à Cartagena.Estamos animados mas um pouco receosos porque não falamos espanhol. Acha que teremos muitas dificuldades?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcia, podem ir tranquilos, sem qualquer receio. Sempre pergunte e confirme preços e só. Com boa vontade é perfeitamente viável entender e ser compreendido. Boa viagem!!

      Excluir

Para o Topo