A Feira... 

A Festimalha está movimentando Nova Petrópolis, na Serra Gaúcha. 




A Cidade das Flores ou Jardim da Serra Gaúcha é também a Cidade das Malhas, já que as malharias foram sua mola propulsora. Progresso que foi chegando, se instalou, mas que jamais furtou da pequena comunidade germânica seu charme, suas belezas e suas tradições. 






O fortalecimento econômico fica claro na qualidade de vida que empresta aos seus moradores e aos turistas que aportam, ávidos pelas novidades da moda. 



Em sua 29ª edição a Festimalha presenteia seus visitantes com muita organização, standes bem distribuídos, cheios de novidades e qualidade. São 61 expositores e milhares de opções em malhas e acessórios. 







Num outono que surpreende pelo calor e já dá indícios do frio que nos espera, pois calor que vai frio que vem, a qualidade dos produtos expostos surpreende, até mesmo visitantes recorrentes. 




Qualidade e modernidade, profusão de lançamentos antenados com as tendências mundiais, além das novidades para o mundo pet. 




Moda infantil, cheia de charme. 



Nem tudo que é bonito é bom, e as malharias de Nova Petrópolis tem investido pesado em tecnologia, em aperfeiçoamento da mão-de-obra, na competência de seus estilistas e o resultado está nos standes, ao alcance de todos. De uma ponta a outra, do fio até a prateleira, com muita competência. 







Até o primeiro final-de-semana de junho a feira estará com os portões abertos, com suas malharias reunidas num único espaço para deleite dos apaixonados pelo inverno. Tá bom, para os não apaixonados também, pois ninguém gosta de passar frio, não é mesmo? Chapéus, cachecóis e gorros tomarão conta das ruas...





O melhor da Festimalha talvez não esteja apenas nas prateleiras e araras, mas no conjunto, que nos permite desfrutar do aconchego de uma comunidade preparada para bem receber. 



Sacolas abastecidas é hora de aproveitar os encantos que se espalham por todos os lados. 

Os Caminhos... 

Outono, paisagem em transformação: sol, céu azul, muitas cores e uma brisa fresca, às vezes um tanto de neblina. Esse é o cenário da Rota Romântica, estrada que une Porto Alegre a Nova Petrópolis. 



Muitas curvas, com surpresas e belezas a cada quilômetro. Paisagens encantadoras, malharias, lojas e restaurantes, além de barracas com frutas da estação e pinhões quentinhos, prontos para serem consumidos com gula. 

Se na primavera as hortênsias reinam absolutas, margeando as retas e curvas, no outono é a exuberância dos plátanos que causa suspiros. 



Bote Nova Petrópolis no GPS, desacelere, abra os vidros e curta cada quilômetro da estrada. 

Tens dúvidas de como ir de Porto Alegre para as cidades da Serra Gaúcha? Aproveite todas as informações que Alexandra Aranovich reuniu e que estão nesse post aqui.

A Praça, os Parques... 



A Praça das Flores é o cartão de visitas da cidade, por sua localização central, por ser palco de muitos eventos, estar sempre florida e ter bancos muitos aconchegantes, além de contar com o Labirinto Verde , formado por ciprestes. 



Quem nunca desejou correr e brincar pelos caminhos de um grande labirinto? Não dá para perder a oportunidade, ainda mais que é uma atração gratuita e para todas as idades. 

O Parque Aldeia do Imigrante é uma grande obra no centro da cidade, e que buscou preservar um tanto da cultura, especialmente arquitetônica. Colônia germânica, Nova Petrópolis ainda guarda um tanto da arquitetura dos primeiros imigrantes, especialmente o estilo enxaimel. Mas, como há sempre um risco da história ir se perdendo, ou se transformando, ali no parque é possível encontrar um aldeamento, com casas, cemitério, capela e outras construções, deslocadas do interior do município para serem preservadas ali, naquele espaço urbano. 





Oportunidade única de caminhar, brincar junto ao Lago e de conhecer como eram a escola, a residência da professora e do médico, a capela, o cemitério e a ferraria.





Com sorte terá uma bandinha tocando e, quem sabe, algum grupo de danças se apresentando. Não é uma promessa, mas uma possibilidade. 


O Esculturas Parque Pedras do Silêncio é um projeto único no Brasil, um roteiro histórico-cultural sobre a imigração germânica, formado pela conjugação do conhecimento de historiadores e da arte de escultores. 



Os historiadores afirmam que a história da imigração alemã no Rio Grande do Sul não apresenta uma face uniforme, pois está eivada de esquecimentos e silêncios: "são pedras do silêncio. Silenciam... Mas no silêncio lembram silêncios da história". 




Em arenito muitas dessas histórias e silêncios se encontram distribuídas numa linda área verde. 




Da Alemanha até Nova Petrópolis, com atenção especial aos pioneiros, a saga dos imigrantes retratada em esculturas únicas. 



A Estação de Voo Livre Adlerhorst, ou simplesmente Ninho das Águias, é uma área municipal de voo livre, voltada para prática de paraglaider, parapente e asa-delta. 




O Mirante de mais de quinhentos metros de altura, com vista para o Vale do Caí e com pistas para voo livre é administrado pelo Clube Ninho das Águias. O lugar é belíssimo e, num dia de campeonato, há muitos e repetidos saltos, além de atrações musicais, food truck e outros. 




Aproveitamos muito as horas de observação, acompanhando a preparação e voo de muitos esportistas envolvidos no Campeonato Sul Brasileiro de Parapente, curtindo o colorido nos gramados e dado ao céu. 






Mesmo naqueles dias sem atividades oficiais e com poucos voos, dizem que curtir o pôr do sol é especial. 



Os Restaurantes, Cervejarias, Cafés...

Se tem quesito no qual a Serra Gaúcha é farta e próspera é no de alimentação. Para todo lado é uma possibilidade nova para se explorar, uma mesinha para curtir entre amigos e um prato diferente e delicioso para saborear. 



De copo em copo, de prato em prato, e a gastronomia se mostra, cheia de tradições e novidades. 

Do tradicional da colônia alemã ao moderno e gourmetizado, para todos os gostos, estilos e ocasiões. 

Fica difícil escolher exemplos, entre tantas possibilidades. Mas, por outro lado, não me furtei do árduo trabalho de campo, confesso. 

Unser Haus Restaurante





Reúne em seu fogão a lenha o melhor da gastronomia dos imigrantes alemães, mas não decepciona quanto ao ambiente, todo idealizado a partir de lembranças da família de Luís Felipe, o responsável por dar personalidade ao local. 






Perambular pelo espaço e espiar as mesinhas é um dos atrativos do restaurante. Transformadas em pequenas vitrines, as mesas expõe um tanto da história da família e da imigração alemã. São cartas, jornais e louças antigas, um deleite para os olhos. 




Nas prateleiras muitos objetos antigos, como rádios, telefones e, inclusive, um motoneta. Ah, e como minhas lentes viajaram entre aqueles objetos. 




Cervejaria e Gastropub Edelbrau 






Já famosinha, a Cervejaria Edelbrau expandiu, foi além da área de visitação e produção, do pequeno bar, para o gastropub cheio de opções no cardápio. 



Dá para fazer a visitação, conhecer detalhes da produção, conversar com os idealizadores e, depois, pular para o prédio anexo e conferir se na mesa o produto funciona tão bem quanto dizem. Melhor parte, certamente. 



Mukli Alfajores

Por ali não há bairrismo, todos são bem vindos, vão chegando e se estabelecendo. Requisito? Amor e qualidade, em tudo que é feito. 



E não é que em meio a colônia de descendentes de alemãs chegaram uns uruguaios, muito gente boa?! 




Vieram conhecer, retornaram para casa, pegaram as malinhas e, literalmente, se estabeleceram de mala e cuia, como dizemos por aqui. 



Uma receita cheia de segredos, que se juntou ao doce-de-leite uruguaio e ao chocolate serrano. Poderia dar errado? Até poderia, mas deu foi muito certo. 




De um lado alfajores e bolachinhas saborosas, de outro um café cheio de charme, assim é o salão da Mukli. 

O menú é vasto em delicias. Panquecas, não deixe de provar as panquecas!!! 




Colina Verde



Eu chamo de café colonial, mas eles referem ser um Curb - o que interessa é que todo o cardápio da casa é servido na mesa, para que seja consumido e repetido livremente. 


Um pouco mais afastado do centro, deposita seu charme no alto de uma colina, com vista para os vales da região. Já, do lado de dentro da casa, hospitalidade e muita fartura. 



O melhor da culinária alemã, com alguns pratos típicos das mesas dos imigrantes italianos ou da campanha gaúcha. O menu é agregador, tanto quanto delicioso. 




Bandejas fartas são descarregadas sobre as longas mesas, para deleite de todos. Da sopa, passando pelos pães e saladas, até o melhor joelho de porco da vida. 




Se sobrar um espacinho, a passada no buffet de doces pode garantir uma porção de sagú com creme ou uma fatia de delicioso pudim. Uma, ou várias, claro! 




KerbFest e outras festividades... 

Restaurantes oferecem uma imersão na culinária e tradições da colônia alemã, com muitos pratos típicos, bandinha, danças e outras atividades. É a KerbFest! 



Além dessas atividades rotineiras, que devem ser agendadas diretamente com os estabelecimentos comerciais, percebemos o quanto é importante consultar a agenda de eventos da cidade, pois as festas e bailes se espalham pelos salões da comunidade e, muitos, são abertos ao público. 

Quanto aos estabelecimentos que oferecem KerbFest, é necessário consultar dias e horários, além da necessidade de reserva - não conte com a sorte. 

A minha KerbFest foi no Restaurante Lindenhof



Duas noites por semana a festa é garantida. Além do buffet de comidas alemãs e muitas doçuras, uma bandinha anima a noite. 





Música, boa comida e um tanto de dança e outras atividades alegram o salão e dão a oportunidade de brincar um pouco com o que era trabalho para os imigrantes. 



Apresentações de danças tipicas, possibilidade dos visitantes dançarem acompanhados pelo corpo de baile da casa, além de jogos e muitas brincadeiras. 




A noite começa silenciosa, onde se ouvem mais os barulhos dos talheres do que conversas, mas que aos poucos vai ganhando muitos sons e, acaba, numa profusão de gargalhadas. 






Doces e salgados, numa perfeita mistura. 






Outra casa que oferece KerbFest aos frequentadores é o Restaurante Torquês. Visitamos numa noite comum, não tivemos oportunidade de conhecer a Noite Alemã, com buffet de pratos e de café colonial, além de muito chopp. 

O que tem numa noite normal? Pratos, muitos pratos fartos e saborosos. Que tal esses? 




E mais esse daqui?! 



Olhar a agenda de eventos é importante, pela oportunidade de participar de atividades festivas da comunidade. Tivemos sorte, pois no final de semana da abertura oficial da Festimalha - evento do qual participamos, teve o Baile de Escolha das Soberanas do Folclore Alemão, na Sociedade Recreativa e Cultural Tiro ao Alvo. 








Conhecer mais das danças típicas, acompanhar a escolha da corte e participar de um evento não turístico foi uma oportunidade que só trouxe alegrias e deixou ótimas recordações. 



Hotéis e Pousadas... 

A cidade conta com muitas pousadas e hotéis, espalhados pela região central, pelas colinas e vales. 

Há hotéis, pousadas de charme, hotéis boutique, para todos os gostos e bolsos. 

Fiquei hospedada no Hotel Berghaus, próximo ao Parque Aldeia do Imigrante. 



Hotel com administração familiar, áreas comuns modernizadas, piscina e suítes simples, mas com sistema de calefação espalhado por áreas comuns e intimas.




O café da manhã é servido num salão com janelas para a área verde do estabelecimento. 







Curiosa perguntei acerca das cabanas, mas essas são locadas por ano, infelizmente. 

Importante apontar que o mesmo possui elevador, muito importante para pessoas com necessidades especiais ou mobilidade reduzida. 

A sala de estar e tv é deliciosa e a aproveitamos num final de noite, enquanto o papo rolava solto. Mas, para os mais animados, há uma sala de jogos, bem equipada e muito charmosa. 






Informações, dias e horários, preços e outros: 

Festimalha

Secretaria Municipal de Turismo


A viagem para Nova Petrópolis, 
para o lançamento da Festimalha 2018, 
foi a convite da ACINP  
Associação Comercial e Industrial de Nova Petrópolis. 
Para o Topo